"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 12 de março de 2016

Boletim 181 - [ Vida, voo único... 'Virei' a página... O que está por chegar... ]























Vida, voo único...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 01/março/2016


Viver é mesmo uma experiência gratificante e sem explicação,
Contudo esta benção ofertada nos é tão rápida, um único voo,
Mesmo assim há aquele que insistirá no ‘bater’ errôneo destas ‘asas’,
Crê então que se é simples, e engana-se que basta alçar e voar,
Esquece-se sem dúvida que a existência se faz ‘presa’ ao chão;

O ‘voo que liberta’ e que se busca não está no azul do céu,
Atua ‘este’ sim na pele física, existe no mérito das atitudes,
Na decência das ações ofertadas, na solidariedade e na bondade,
Na índole que se faz justa, na honestidade do gesto e das palavras,
Na nobreza mão amiga que acolhe, orienta, acalenta e ampara;

No olhar digno e sincero, este puro singelo e sem recriminação,
Livre do julgamento que não cabe ao mero mortal passageiro,
Muito menos o ato do desprezo, a indiferença e o fútil interesse,
É-se como a um espelho que precisa ser polido para brilhar;

De nada adianta reluzir com’ouro no exterior do corpo que degenera,
As palpáveis belezas das fases do viver nada mais são do que aprendizados,
Ao vivenciá-las, entendê-las e superá-las obtêm-se, pois a maturidade,
Haverá então de certo o equilíbrio necessário para a ascensão d’alma.






















‘Virei’ a página...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 28/fevereiro/2016


Custou-me, mas consegui e ‘virei’ a página que mais temia,
Hoje não mais preciso folhear a este teu livro de ilusões,
Deixei num passado distante tudo, até mesmo as dores,
‘Libertei-me’ da tua ausência tão presente e do teu corpo;

Alforriei-me das horas infindas, da espera inútil dos teus olhos,
Das carícias que tanto desejava e que se faziam perdidas a mim,
Não mais anseio por aquele aguardar que só tristeza me trazia,
Não mais me acompanha a saudade, nem tão pouco a solidão;

A música que agora ouço é de paz e harmonia, ‘sorri-me’ o gostar,
Prepara-me a vida e o tempo para novas experiências a dois,
De certo que as lições se farão presentes, mas não impeditivas;

Trouxe sim a maturidade, a compreensão de que o viver segue,
É hora de ‘brilhar’ a ‘menina’ dos olhos, enfeitiçar-se do novo,
Descobrir a ‘pele’ do amor que ‘floresce’ do coração até n’alma.






















O que está por chegar...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 05/março/2016


Nas noites em que a solidão se faz fiel companheira,
Fecho aos olhos e mesmo não querendo vem o recordar,
‘Alimento-me’ das saudades, mas das que me fizeram bem,
Apenas dos sentimentos e das emoções que foram reais;

Nas noites em que a solidão se faz fiel companheira,
Relembro as carícias em minha pele e ainda me encontro,
Como se estivesse em teus braços em plena proteção,
Sensação de desejo compartilhada, sem tempo e sem hora;

Porém, hoje, depois da tormenta, entendi que é preciso perder,
Por certo se ganhará logo mais a frente à coragem e a força,
Entender-se-á o aprendizado, a vivência, muito mais ao findar;

Porém, hoje, depois da tormenta, entendi que é preciso perder,
Mesmo que se não veja mais a luz, mas jamais deixar de acreditar,
O amor não ‘morre’, apenas se ‘liberta’ pelo melhor que está por chegar.















Postagens populares