"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 26 de setembro de 2015

Boletim 157 - [ Lábios que beijei... Excitante devaneio... Enamorados... ]





















Lábios que beijei...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 23/setembro/2015



Estes
teus lábios
‘fonte’
de desejos
e perdição,
Quero
prová-los
junto aos
meus em
devaneio,
Encontrar
a loucura
e a paz,
De certo
‘libertar-me’
da razão,
muito mais
‘absorver’
as emoções,
os sentimentos,
Fazer da
vida pura paixão,
excitação,
comunhão
d’almas,
gostar
para
amar,
começar
numa
carícia,
depois
mais e mais...
por fim,
revigorar,
renascer,
em pleno
amor.



















Excitante devaneio...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 19/setembro/2015


Numa destas noites que nos envolve em solidão,
‘Saímos’ de nós para sermos dois num único ser,
Cada qual com seus desejos, prazeres e necessidades,
Sentimentos e emoções recolhidas à espera do gostar;

Numa destas noites que nos envolve em solidão,
‘Quebramos’ os elos de nossas correntes e nos libertamos,
Por um mesmo motivo, por um mesmo envolvimento,
Química de corpos e d’almas por instantes de felicidade;

‘Libertamo-nos’ de nossos medos, pela alegria a dois,
Vozes calientes, sorrateiras, próximas ao ouvido em deleite,
Mãos libertinas em prol d’um comum e salutar êxtase;

‘Libertamo-nos’ de nossos medos, pela alegria a dois,
Oferta d’um tempo especial, apenas seu e meu, viver d’amor,
Peles antes solitárias que hoje não mais sobrevivem da distancia.


















Enamorados...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 22/setembro/2015


Este ar que é seu também e que respiro,
Insuficiente faz-se em virtude da tua ausência,
Percebo agora que não há mais graça no meu sorrir
Se não há ao teu sorrir para me ‘alimentar’,
Para que assim compartilhemos a nossa felicidade,
De certo meus olhos enamorados se fazem entristecer
Quando distantes precisamos estar de nós amantes,
Não há então como captar as energias que irradiamos,
Só se faz recuperar a minha felicidade quando alegres
Meus olhos brilham ao ver o brilho dos teus,
Minha pele como a tua necessita ao contato
Da minha pele para que assim sejamos completos,
Clama num desejo constante as minhas mãos,
Ao sentir da maciez dos teus cabelos que me enfeitiça,
A meiguice em carícia do teu toque em minha face,
Uniu-nos o destino pelo gostar que em juras faz-se recíproco,
Pela transparência dos sentimentos e das emoções,
Pelos desejos do corpo físico e do prazer d’alma,
Experiências únicas envoltas em sinceridade,
Na pureza dos gestos ‘liberta’ em nós o verdadeiro amor.












Postagens populares