"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Boletim 250 - [ Equilíbrio vida... Eu desconfio... Eu te falei... ]
























Equilíbrio vida...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 26/abril/2017


O que é a vida senão um jogo de equilíbrio constante,
Um buscar na ‘balança’ do viver a harmonia e a Paz,
Encontrar, pois o bom senso da razão e das emoções,
Não se ‘alimentar’ só das possíveis perdas que ocorram,
Nem se vangloriar dos possíveis ganhos em arrogância;

É entender aos próprios sentimentos e as sensações,
Respeitar a si, a tudo e todos em volta indistintamente,
Cada qual tem a sua importância neste delicado pacto,
Desde o mais simples até o mais evoluído ser vivente;

O que é a vida senão um jogo de equilíbrio constante,
Se as pedras se ‘encaixam’ e se fazem ‘flutuar’ em beleza,
Por que nós os seres humanos não podemos ser iguais,
Se as águas dos lagos, rios e dos oceanos são concórdia,
Por que nós não podemos seguir o mesmo exemplo;

É entender aos próprios sentimentos e as sensações,
Captar aos ensinamentos, as lições que nos cabe,
Aprender, se corrigir, não insistir na música de forma errada,
O exemplo a ser seguido, as atitudes que enobreçam n’alma.


























Eu desconfio...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 09/junho/2017


Vivemos mais da solidão do que unidos,
Seguimos cada qual o seu caminhar,
Não há em nós o mesmo destino,
Nem um caso mais aparentamos ter;

Não queria ter comigo esta triste certeza,
Gostaria mesmo que Deus me perdoasse,
Calasse-me a boca e tirasse todas as lágrimas,
Só eu sei quanto à desconfiança me fere;

Não há mais entre nós o carinho apaixonado,
Não há nem o olhar demorado de nossos olhos,
Nem gestos, muito menos palavras de carinho;

Esquecemo-nos das emoções e dos sentimentos,
‘Morremos alimentados’ pela falta de nossas coragens,
Eu desconfio de falsos lenitivos e do envenenar da verdade.


























Eu te falei...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 25/abril/2017


Eu te falei, mas você não quis me ouvir,
O amor não se faz por repetir as palavras,
‘Ele’ brada alto ou se faz intenso silêncio,
‘Cala’ n’alma, alivia ou fere profundamente;

Eu te falei, mas você não quis me ouvir,
Negou o entender dos nossos sentimentos,
Fez, pois de nossas emoções tola brincadeira,
Tanto egoísmo que se fez ‘morrer’ do seu veneno;

Ficou sim como lenitivo o amargo frio da noite,
Duas taças de vinho vazias e já sem sentido,
A última garrafa ainda esquecida no canto da sala;

Ficou sim como lenitivo o amargo frio da noite,
O ‘coitado’ d’amor que se fez prisioneiro da solidão,
Sorri, de certo através d’os meus olhos por liberdade.



















Postagens populares