"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Boletim 176 - [ Do nada ao nada... Adeus tristeza... Pedacinhos... A Paz em 'Ti'... Onde se irá parar... ]



















                              
                                

Do nada ao nada...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 05/fevereiro/2016


Antes de tudo...
É-se um corpo,
Resultado da união,
Por vezes sadia,
Desejada e compartilhada;

Para tal...
‘Nasce-se’,
De dois corpos,
O masculino e o feminino,
Cada qual com responsabilidades;

Por vezes não cumpridas,
Esquecidas, nem praticadas,
Mas de certo acontecerão,
Ofertarão ou cobrarão;

Contudo...
Este mero corpo,
De nada representa,
Se nele não habitar,
O ‘desejo’ do Criador;

Sendo assim, por desígnio,
Que ‘se ganha’ a vida,
O discernimento do viver,
O Bem maior, a essência d’alma;

Infelizmente...
Esta Dádiva ‘morre’,
Na falta de perspectiva,
Na inexistência do primordial,
Nos passos de retrocesso;

Destroem-se as oportunidades,
A benção do aprendizado,
As lições da maturidade,
Pela sede do ‘poder’ que nos faz animais,
Não mais humanos, nem seres racionais.




















                              
                              

Adeus tristeza...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 30/janeiro/2016


Tristeza, não me espere mais como a tua companhia,
Há hoje a lucidez e não preciso do apoio de teu ombro,
Entendi que ‘contigo’ só me resta a mentira e a solidão,
Aceito a dor da verdade que fere na pele, mas sei curar;

A poesia dos sentimentos e das emoções se ‘libertaram’,
‘Retirou-se’ assim a venda dos olhos que creem no gostar,
De certo que esta sensação virá a merecer outra chance,
Pois o desejo às vezes se faz tão confuso, mas feito pureza;

Tristeza, não me espere mais como a tua companhia,
A poesia dos sentimentos e das emoções se ‘libertaram’,
‘Respira’ em meu peito a paz, o perdão, não mais a saudade;

Aceito a dor da verdade que fere na pele, mas sei curar,
Pois o desejo às vezes se faz tão confuso, mas feito pureza,
Com o tempo certo o amor ‘renascera’ de corpo e d’alma.



















                               
                               

Pedacinhos...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 17/janeiro/2016


Eu sou feito de pedacinhos que era seu,
Um tiquinho aqui, acolá, d’outro e d’outro,
Vou mesmo sem querer colecionando fragmentos,
Aproximando cada qual onde se deve estar;

Emoções com as emoções, alegres ou tristes,
Sentimentos com os sentimentos, fortes ou sutis,
Sensações com as sensações, excitantes ou passageiras,
Alegrias com as alegrias, ganhadas ou perdidas;

De certo que não posso me esquecer das dores,
Dores com as dores e olha que são tantas,
Brilho d’olhos com brilho d’olhos, gostar e amar,
Amores e desamores, cada qual em seu lugar;

Ficam por um tempo em mim bem guardadas,
Esperando o momento certo da ‘liberdade’,
‘Despertam’ sem aviso, ‘nascem’ em palavras,
Almejam pelo branco da folha e se fazem poesia.



















                              
                              

A Paz em ‘Ti’...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 28/janeiro/2016


Fiz...
Desfiz,
Refiz;

Insisti,
Não desisti,
Sei que venci;

Fiz...
Insisti,
Desfiz,
Não desisti;

Refiz,
Sei que venci,
Consegui...
A Paz em ‘Ti’.



















                               
                                

Onde se irá parar?
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 03/fevereiro/2016


Ainda bem que não sou só eu que tem vergonha do que acontece neste País,
Infelizmente grande parte deste povo apenas sabe olhar para o seu umbigo,
Preocupam-se com a reação d’um grupo de pessoas expostas numa emissora,
Acreditam que os problemas e mazelas aconteçam apenas com o seu vizinho;

A maioria nem sequer conhece ou sabe fazer uso dos seus direitos adquiridos,
Quando há eleição então, insiste em dar seu voto a uma pessoa que nem conhece,
Poucos são os que querem entender ou que entendem o mínimo que seja de política,
Compram e são comprados por favores, criam cotas, enganam e são enganados;

Buscam por, quando não levam vantagem sobre os outros sem a mínima cerimônia,
Prezam sim a banalidade e ignoram com frequência o que deveria ser essencial,
Ofendem-se, desrespeitam-se, agridem-se e muitos destes acham isto normal;

Muitos não conhecem sequer o que é educação, aquela que deveria vir de berço,
Não mais praticam aos bons modos de convivência social, o básico, por favor,
Por fim, faz-se por não ter nenhuma ética, o que dizer da sua honestidade.














Postagens populares