"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 24 de outubro de 2015

Boletim 161 - [ Depende de nós... Fato... Beijo... Praia deserta... Murmúrio... ]










        











Depende de nós...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 22/outubro/2015



Guardei ao teu retrato,
Hoje me pergunto,
Para que?
Tola lembrança,
Triste recordação,
Nem amizade cultuamos;

Mantém-me distante de ti,
Nem sequer troca de palavras,
Muito menos de olhares,
Um silêncio quase fúnebre,
Confesso ainda não entender-lhe;

Guardei ao teu retrato,
Desbota e amarela do tempo,
Tal qual aos nossos sentimentos,
Colocaste uma pedra nas emoções,
Contudo não disfarça a saudade,
Tão pouco a tua solidão;

Mantém-me distante de ti,
Não sou eu que sofro,
Não sozinho, esteja certo disto,
Do nosso inesperado encontro,
Pude absorver-me da esperança,
Espontaneamente abraçaste-me n’alma.










          










Fato...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 18/outubro/2015



O que de fato acontece com uma parcela do ser humano?
Este ser de espírito pobre que se nega a bondade alheia,
Que se faz corromper fácil pelas ofertas e facilidades,
Que mente sem pudor para si sobre as suas verdades;

Usa da indiferença e da maldade como um ‘santo’ bem,
Maltrata ao seu próximo, até aos de mesmo sangue,
Fere, pune, maltrata e até cerceia a vida de animais,
Crê ser um ‘deus’, mas do desamor, da injuria e da dor;

O que de faço acontece com uma parcela do ser humano?
Escolheu ‘abandonar’ ao próprio Criador pelas futilidades,
Não sabe mais olhar para as crianças, de certo sorrir,
Tão pouco ajudar a quem vem para dar o ensinamento;

Usa da indiferença e da maldade como um ‘santo’ bem,
‘Alimenta’ ao corpo com superficialidades, egoísmo,
Idolatra ao que é banal e mundano, fere-se n’alma,
Por fim diz ser honesto e límpido, se vende a si mesmo.










          










Beijo...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 17/outubro/2015



Beijo...
De mágoa,
De saudade,
De solidão,
De lembrança,
De dor,
De alegria,
De criança,
De moça,
De rapaz;

Beijo...
De casal,
Enamorado,
Esposo-esposa,
Amantes,
De briga,
De paz,
De reconciliação,
De solidariedade,
De perdão,
De paixão;

Beijo...
De loucura,
De ardor,
De carência,
De sabor,
De carícia,
De travessura,
De desejo,
De sentimento,
De emoção,
De verdade,
De puro prazer,
De êxtase,
De nudez,
Tesão.










         

 









Praia deserta...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 17/outubro/2015



Madrugada fria e silenciosa,
Caminho eu sozinho sem rumo,
Acompanha-me o brilho da lua,
‘Calada’ mas atenta aos meus passos;

‘Acaricia-me’ a maciez da areia,
‘Aconchega-me’ o murmurar das ondas,
Reflete meu rosto solitário e triste,
Faço d’água o meu imparcial espelho;

Madrugada fria e silenciosa,
Dá-me impulso o vento que gela,
Faz-me aquecer a minh’alma;

‘Acaricia-me’ a maciez da areia,
‘Domina-me’ a dúvida do que fazer,
Contudo salva-me o romper do novo dia.










          











Murmúrio...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas® - Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: Piracicaba, 17/outubro/2015



Murmúrio é o que faço das minhas palavras,
Um ruído surdo, por vezes confuso,
Não ouço nem cá, tão pouco lá,
Alevantaram-se muralhas a minha volta;

Não se fazem mais um mar formoso,
Os sons perderam o seu rumo certo,
Os sentimentos não mais ‘falam’ comigo,
As emoções ‘ganharam’ falsa alforria;

Murmúrio é o que faço das minhas palavras,
Não são mais ondas que ‘descansam’ na praia,
Tão poucos pássaros que ‘voam libertos’;

Não se fazem mais um mar formoso,
Secaram em meus lábios sem o teu amor,
Sangra no peito o punhal que ceifa n’alma.










         






Postagens populares