"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Boletim 98 - [ Excitante gostar... Ninguém 'escolhe' o amor... Quanto quis... Ora amparo, ora veneno... 'Floresce'... ]















Excitante gostar...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 22/abril/2014

 Estes meus olhos já tão tristes e descrentes do gostar sincero,
Mais uma vez foram capazes de fazer renascer no meu eu este sentimento,
Cruzastes o meu caminhar de forma sutil, quis juro nem acreditar,
Encantei-me com o teu sorrir quase ingênuo, quis, contudo arriscar;

Estes meus olhos já tão tristes e descrentes do gostar sincero,
Encontraram por alguns instantes a chance de brilharem e serem vistos,
Fitaste-os intensamente, fizeste-me perder minha concentração,
Quando percebi estava cá em teus braços e entregue a ti;

Nada mais me importava, cativava-me o som da tua voz, o teu seduzir,
Minha pele esquecida de carinhos novamente ganhara vida na maciez da tua pele,
Meu desejar conduzia-me para o sentir dos teus lábios coladinhos aos meus;

Nada mais me importava, cativava-me o som da tua voz, o teu seduzir,
Libertei sem pudor meus sentimentos, recuperei as emoções trancafiadas,
Sem medo de ti entreguei-me em completa permissão aos prazeres do amar.











Ninguém 'escolhe' o amor...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 25/abril/2014

 A ninguém é dada a permissão do ‘escolher’ do amor,
É um sentimento de vontade essencialmente própria,
É um desejo de ações impulsivas e inquestionáveis,
Cria histórias, une e separa, faz-se o ‘senhor’ da vida;

A ninguém é dada a permissão do ‘escolher’ do amor,
Não existe uma data, um tempo, acontece por vontade alheia,
Acontece sem dúvida no brilho da luz do dia,
Acontece com certeza muito mais na calada da noite;

Entorpece primeiro, desequilibra e depois seduz,
Acelera o respirar, descompassa o pulsar do coração,
Produz a sensação da euforia, da pele e d’alma;

Entorpece primeiro, desequilibra e depois seduz,
Não se fazem necessárias as palavras, apenas carinhosos olhares,
Do silêncio, da permissão mútua, do prazer a dois.










 

Quanto quis...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 23/abril/2014

 Quis verdadeiramente ser parte do teu mundo,
Quis muito mais, quis que foste o meu mundo,
Contudo não correspondeste o meu expressar,
Do muito que lhe ofertei nada senti retornar de ti.










Ora amparo, ora veneno...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 28/abril/2014

Cá em meu silêncio interior sobrevivo,
Absorvo-me da bandida saudade,
Retiro de mim a guarda que me protege,
Desarmo assim a razão já tão sofrida,
Liberta-se no corpo a emoção;

Sinto em mim a noite fria tal qual minh’alma,
Silenciosa e solitária em meu peito,
Sofro d’um gostar sem fim por amor,
Maltrata-me ainda a forte paixão;

Caminhar nesta estrada triste é o que me consola,
Leva-me eu sei, a nenhum destino, rouba-me rumo,
Açoita-me com minha permissão o rosto o vento gélido,
Fere meu coração companheiro do abandono,
Não há mais compreensão em mim, apenas dor;

Vivo amargo, rancoroso de minha própria teimosia,
Cega-me os sentimentos, muito mais as emoções,
Enlouqueci conscientemente das sensações vividas,
Faço com certeza de ti minha salutar penitência;

Cá em meu silêncio interior sobrevivo,
Sinto em mim a noite fria tal qual minh’alma,
Caminhar nesta estrada triste é o que me consola,
Vivo amargo, rancoroso de minha própria teimosia,
Não creio haver piedade para meu ser, para minha pele;

Sou e serei um escravo das tuas carícias perdidas,
Serei sempre um amante da maciez da tua cútis,
Será para mim a sombra que me consome a vida,
Restar-me-á como salvaguarda as lágrimas que liberto,
Até onde eu suporte serás o meu amparo, depois quem sabe meu veneno.










 

'Floresce'...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 30/abril/2014

‘Floresce’ novamente em mim o amor,
Faço-me livre do cinza das nuvens, das tempestades,
Oferta-me o prazer de respirar ares de alegria,
Meus olhos ‘sorriem’ do brilho dos teus olhos;

Não há comigo mais lágrimas em minha face,
Inesperada despediu-se a solidão do meu coração,
Abandono-me assim a saudade que me consumia,
Acompanha-me agora com certeza a felicidade;

‘Floresce’ novamente em mim o amor,
Renasceram as emoções antes tão esquecidas, adormecidas,
Absorvo-me dos novos sentimentos e prazeres,
Conspira a vida ao nosso favor, somos seus cúmplices;

Não há comigo mais lágrimas em minha face,
Minha pele já tão castigada curou-se das passadas dores,
Compartilhamos sem medo dos mesmos desejos,
Eu e você enfeitiçados do mesmo amor.








Postagens populares