"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 18 de janeiro de 2014

Espaço Homenagem Viva: [ Silvia Mota... ]







Homenagem Viva













A despetalar meu sonho
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Em pétala por pétala rasgo a esperança
do soberbo desígnio de ansiar-te na lua
e num vai e vem minh'alma louca dança...

Se não posso ser nada além do que ser tua
ao furor delinquente de um sonho qualquer,
neste instante busco-te em minh'alma mulher...

Bem-me-quer... mal-me-quer...

Bem-me-quer... mal-me-quer...











E só querias o meu silêncio...
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Querias
o invólucro rútilo
da quimera,
mas fui fera,
pantera:
fiz barulho
no teu prazer

Querias
o purpúreo filo
do meu poente,
mas fui candente,
demente:
fui gorgulho
no teu beber

Querias
o fidalgo estilo
d'alma incógnita,
mas fui pepita,
bonita:
fui orgulho
no teu querer

Querias
o doce sigilo
da vestal,
mas fui carnal,
carnaval:
fui marulho
no teu fazer

Só querias meu silêncio,
dei-te meu grito...
eu não sabia...














Poeta suicida
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Há dias aos quais sonho a vida
de forma tão insana,
que desgrudo meu olhar de mim
e afloro primavera queimada.
Hastes secas,
pétalas ressequidas
ao sol do meio dia
- enxerto mal feito -

Há dias aos quais morro em vida
e de forma incontida
revelo a insolência tola
do peito atrevido.
Exibo ao mundo
uma indecorosa felicidade,
que chora escondida
e se amofina à cópula dos ratos.

Há dias aos quais fantasio sexo
através das rendas
e veludos vermelhos
enfurnados na lembrança.
Cubro-me de lingeries
negra, verde, azul, branca...
e colorida de ilusões
enluto-me na saudade.

Há dias aos quais me acavalo
na cauda dos arco-íris
e sumo no vento, pelo Infinito,
a sugar o sexo dos anjos.
Embebedo-me consciente
ao sabor agridoce... gota a gota...
empanturrando-me de vertigem,
até vomitar Eras no paraíso das estrelas.

Nesses dias, aos quais sou humana,
h u m a n a m e n t e monstro de mim,
é preciso estourar os tímpanos
com a granada da Esperança.
Emparedo-me viva - como vampira,
nos poros sanguinolentos da própria pele
e por apodrentar em perfume,
suicida viva, despetalo.

Ao então, quando a escuridão desaba
e o Universo se arrasta aos meus pés
a bolinar-me morta, os meus Eus imortais
arreganham-se em orgasmos múltiplos.
Nessa ménage indescritível
arrombo o sarcófago da inércia
e renasço falena... meio fada... meio bruxa...
borboleta noturna... meio fêmea... meio poeta...












Um vendaval de desejos
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Espreita as rosas em amor com o vento
e os espinhos que se recolhem em silêncio -
ciúmes pontiagudos.

Sorve no corpo o sensual perfume
de excêntrico vendaval -
aroma em ti, que partiu do meu jardim.











Meu tempo sem tua presença
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Sem teu olhos,
meu tempo
é luz sem claridade,
cor de noite triste.

Sem tua boca,
meu tempo
é flor sem perfume,
saber de fel no mel.

Sem teus braços,
meu tempo
é folha sem rama,
verde de sonho irreal.

Sem teu sexo,
meu tempo
é tarde sem brisa,
gozo de ária infeliz.

Sem tua vida,
meu tempo
é canto sem ledice,
morte de beijo ancião.

Sem tua presença,
meu tempo
é ausência sem termo,
teimosia da vida em mim.











Desejo
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Trajada de hera e flor, prenúncio à primavera,
abrigo tempestade, exponho-me ao teu passo,
esculpo vento em ar, pertença d'outra esfera.
Sou barro e sou poema - em ti sou limo crasso.

Passada firme e reta, ao som de era em era,
tens olhos luze-luze e ardor de ser devasso,
que brinca de pecado em torno da cratera.
Se és Zeus e te sou Hera - em mim não és fracasso.

Ardente pedes bis, anseias qualquer feito...
Teu corpo nu revela em ira garraiada
os prêmios celestiais de um deus por mim eleito.

Desejo-te beijar, o corpo em mim insiste...
Meu dorso nu reclama a língua seviciada
e anulam qualquer não os seios quase em riste.













Adeus
Silvia Maria Leite Mota
[ Silvia Mota ]
Rio de Janeiro - RJ

Como se quebrantasse o sortilégio do adeus
seguro-me na ponta d'uma fervente estrela
e voo ao soluço eterno de saudade alucinada.

Faço-me viva até que me transforme em pó
e ao depois... espalho-me às águas mórbidas
de um negro mar frio suculento de sangue.

Desapareço na linha do horizonte...

Nada e ninguém me encontrará jamais!









Postagens populares