"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

[Boletim 65] - Amor sem fim... Amizade não se escolhe... Amor!...



Amor sem fim...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 09/junho/2011


Ainda há em mim um amor que não sucumbe,
Uma saudade que insiste em se fazer presente,
Lembranças estas que me acompanham além pele,
Sentimentos passados que enraizaram n’alma;

Sensações que o tempo e a vida não encerram,
Desejos que se faziam tão reais, tola aparência,
Apenas da minha parte se faziam por manifestar,
De você eu vivia a espera das verdadeiras emoções;

Gestos divididos, atitudes nem sempre entendidas,
Ora parecíamos tão unidos, cúmplices e amantes,
Ora parecíamos tão estranhos, distantes e vazios;

Cerceie minhas esperanças através das tuas palavras,
Restou-nos o adeus sem volta, a mim lágrimas,
A paz que me abandonou por este amor sem fim...




Amizade não se escolhe...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 21/março/2012


Da rua vizinha ele veio, ressabiado de começo,
Olhava e olhava, havia o querer se aproximar,
Ainda apenas havia longo seria este tempo,
Proximidade e carícias, observações e sondagens;

De repente uma atitude, em silêncio a casa adentrou;
Passeou por cada cômodo, reconheceu o ambiente,
Instalou-se onde quis primeiro na cadeira da cozinha,
Dias depois próximo a mim, nascia uma nova amizade;

Homem e animal em cumplicidade e harmonia, 
Até entre cão e gato era paz, juntos viviam a deitar,
Respeito se fazia o lema, ganhou seu espaço e cesto,
Cada qual escolhera seu lugar na casa a seu modo;

Meu cão próximo aos meus pés, como sempre fazia,
Este novo amigo escolheu ficar entre meus escritos,
Éramos companheiros quase frequentes neste vivenciar,
Mas da vida nada conhecemos, e eu me perguntava;

Raro era o seu dormir no conforto, o que faria então,
Vinha mesmo se fixar no dia, pela água e alimento,
Pela dose necessária de aconchego e permissões mútuas,
Da noite sua vida nada eu sabia, ia e vinha e se seguia,

Contava mesmo para nós o tempo que nós tínhamos,
A convivência, os afetos já compartilhados e verdadeiros,
Um amor sem palavras, feito de gestos reais,
Havia saudade, mas não solidão, um mundo simples e feliz;

Como tudo tem seu destino, disto nós não fomos poupados,
Do jeito que viera deixou de estar, ausente mais se fazia,
Restou-me a preocupação, a dúvida, inúmeros porquês,
Desaparecera sem avisar, sem um simbólico adeus;

Antes do fim desta amizade, de repente ele retornou,
Já tão diferente, quase um estranho, nem o reconhecia,
Creio que demorei a compreender, foi difícil entender,
Muitas vezes os olhos se enganam que dirá o coração;

Quando pude perceber já se fazia tarde o ajudar;
Sua última chegada foi conturbada e estranha,
Começava agora ter a compreensão e busquei ajudar...
Parecia que ambos já percebíamos que era final;

Seria de fato o último contato real entre nós,
Saiu em disparada, atropelado, não mais voltou,
Quanto quis saber algo, mas sequer sabia de onde viera,
Apenas da rua vizinha, era o que via, assim imaginava;

Numa dessas manhãs que ainda o chamava em vão,
Mesmo assim ofertava seu leite, a mesma rotina,
Soube por outros lábios a resposta que mais temia,
Fora encontrado logo cedinho, solitário e já sem vida;

Restaram lembranças, fatos, ainda algumas dores,
Poucas fotos, mas de valor inestimável, prova cabal,
Da presença e veracidade das palavras, das emoções,
Da tristeza que por vez me acomete e lágrimas rolam de minha face.




Amor!...
Celso Gabriel de Toledo e Silva – CeGaToSí®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Poeta dos Sentimentos®
Concebida em: 17/julho/2012


A limento do corpo físico e d’alma,
        oferta recíproca de carícias e afagos,
        calor humano que contagia;

M ensagens e olhares, muito além da voz...
        melodias conjugadas entre sensações,
        libertas entre sentimentos e emoções;
O portunidade em mútuo compartilhar,
                   contato carnal que silencia, gestos e frenesis,
        mãos que se entrelaçam em única pele;

R espostas as permissões e desejos...
        tempo de aprendizado e maturidade,
        vivenciar da felicidade em qualquer época.



Postagens populares