"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 13 de agosto de 2011

Especial Pai: [Maria do Socorro Alexandria... Mariza Estela Leal... Silvio Parise... Mardilê Friedrich Fabre... Elizabete Ribeiro... Maria Iraci Leal... Lucia Maria da Silva Alves... Gilnei Neves Nepomuceno... Sandra Galante... Celso Gabriel de Toledo e Silva... Guilherme Araujo... Sonia Nogueira...]


Especial Pai
[Aqui "falam" as emoções e os sentimentos...]

Ter pai... Ser pai...
Maria do Socorro Alexandria - "Marsoalex"
Itaboraí -RJ
Ter pai é não ter medo
De pular no escuro
Pois seus braços, como laços,
São seguros
Estão sempre disponíveis
Para nos aparar.

Ser pai é estar sempre
De braços estendidos
Para proteger da queda
Do perigo
O filho que se lança
No escuro sem pensar.

Ter pai é saber
Quem tem pegadas no caminho
Pegadas feitas com amor
E com carinho
E que segui-las é a certeza
De não se perder.

Ser pai é palmilhar
Essas pegadas
Deixando a trilha aberta
E preparada
Para o filho, nela,
Se reconhecer.

Ter pai é, enfim
Ter a certeza
Que o amor de pai
É luz acesa
Que ilumina
Todos os caminhos.

Ser pai é saber
Ser essa luz
Que ilumina
Orienta e conduz
O filho muito além
Dos descaminhos.

Pai Querido
Mariza Estela Leal - "Mel"
Porto Alegre - RS
Não és só uma lembrança
Que guardo de minhas memórias
Que volto ao meu tempo de criança
De suas hilárias histórias
Onde eras meu herói de toda hora
Por isso a dor da saudade
E meu coração que hoje chora
A falta do meu companheiro de verdade
Que me passou Fé e confiança
Para trabalhar e ter esperança
De construir um mundo melhor
E seus ditados hoje fazem parte...
Do meu dia a dia

"Quem madruga Deus ajuda"
"O homem vale por quanto gasta e não por quanto ganha"

Pai
Silvio Parise
East Providence - USA
Pai, palavra que exprime carinho
Segurança, apego, zelo e paixão
Afinal, és nessa criação um gerador
De sementes cujo amor
Pacientemente ajudou
A cultivar o meu coração.

Meu tipo inesquecível
Mardilê Friedrich Fabre
São Leopoldo - RS
Tu, pai, és meu tipo inesquecível.
Amigo dos tempos sombrios,
Ensinaste-me a aceitar o indiscutível.

É constante tua presença.
Quando enfrento desafios,
Socorro-me na tua benquerença.

Embala-me o colo da tua lembrança
Ficaram-me as tuas virtudes de herança.

Aos meus verdadeiros pais
Elizabete Ribeiro - "Betimartins"
Sto. Tírso-Porto - Portugal
Dizem que parir é dor e criar é amor
Botem amor nisso, quanta paciência
Que digam os meus tios que me criaram
Quanto amor gratuito, quantas noites
Ficaram em meu quarto, curando-me
Quantas respostas deram as perguntas
Quantas foram as histórias que foram contadas
Outras recriadas por nós três no caminho
Quantas lágrimas secadas, quantos abraços
Quantas noites rindo, felizes na mesa, juntos
Quantos passeios, quantas cidades, países
Quantas palavras ensinaram, sabiamente
Quantos passos me guiaram sem medo de errar
Quantos gritos acalmaram, devorando meus medos
E quando eu cresci, eu tive que caminhar sozinha
Fazer minha história, escrever meu livro e ser mãe
Por vezes acordava na noite, chorando, como chorava
Pois não tinha mais vocês aqui comigo, não tinha mais...
Não podia mais pegar no telefone e escutar a vossa voz
Nem sequer sentir vossos abraços e vossos conselhos
Sentir o vosso cheiro, a vossa essência tão querida
E minhas lágrimas jorram como nunca jorraram
Neste meu amar, tempestuoso, nesta vida sem vós!
E qual foi o primeiro pranto de dor, quando busquei
As últimas flores, o último adeus, o último toque
Sobre a terra, vós ficastes, as flores secaram silenciosas
É apenas na vossa lápide fria, tão fria e deserta
Que minha alma se partiu, emudeceu, desfaleceu
Na falta que vocês me fazem! Eu tenho tantas saudades!
Que sinto a falta de vosso amor, tanta falta que eu me pergunto:
Porque vós partistes  e me deixaste aqui tão sozinha...

Oh! Pai...
Maria Iraci Leal - "Mil"
Porto Alegre - RS
Que te fostes deixando o amargor da saudade
Que irrompe volta e meio tão forte
São as sombras para meu dia, uma dor de morte
Que ao meu coração saudoso maltrata
A nostalgia me invade, vem à lágrima e o choro se desata
Lembranças assomam, transbordam aceleradamente
E nem mesmo em Deus que e a Fé de minha crença
Arrefece esta perda de tua amada presença
Entre nós estivestes um dia querido pai
Cultuando o trabalho, o amor e a alegria
Transmitindo coragem de luta e esperança
Sem nunca proferir um simples ai
Do pouco que se tinha em nossa vida
Tinha-se muito, necessidades mais não havia
Fica na família tua mensagem, os anais
Dos teus valores e da luta renhida
Que nos fez pessoas de integridade
A continuar teus passos em nossa trajetória
Do teu exemplo de pai, homem e cidadão
Um homem que viveu pelo coração
Oh! Pai fostes um homem de glória!

Pai
Lucia Maria da Silva Alves
Recife - PE
Pai,
Paizinho,
Paizão...

Não a expressão, vale a voz do coração...

Pai...
Contigo aprendi tudo que sei
Se eu nascesse de novo
Tua filha eu seria outra vez
Rebusco memórias engavetadas
No baú de minha existência
Vejo-te tão preocupado
Para atender minhas carências

Como exemplo, as festas de escola
Ofegante chegavas sempre
E muitas vezes ficavas ausente
O trabalho te instigava e te consumia
Mas minha idade não permitia
Entender o que acontecia
E muito triste eu ficava naqueles dias...

Hoje meu pai amado,
Me encontro na mesma condição
Agora também tenho filho,
Que modificou meu coração
Agora tudo sei, aprendi de uma só vez,

Pai...
Sei que em mim realizastes teus sonhos
Até então desditosos...
Tentou me impedir de repetir teus inevitáveis erros
Tudo de si me entregou, na mais fiel forma de amor
E em meu bem estar por muitos anos se empenhou...

Te amo eternamente meu Grande Amor.

Pai dos Pais
Gilnei Neves Nepomuceno
Morada do Sol - CE
Deus Pai todo poderoso, amigo do peito
Dê discernimento aos pais, meu amado
Que ecoem as trombetas do respeito
E que nenhum filho seja abandonado

Ensina aos pais as ladainhas do amor
Para desvendar o caminho das pedras
E ser o espelho do filho, nobre Senhor

Planta no coração dos pais proteção
Vontade de brincar, correr na grama
Segurar firme do rebento a mão
Em vigília paterna, a acessa a chama

Que sejam vigilantes em casa e na rua
E que a mesma mão que oferta carinho
Seja a mesma que pela família atua
Para alimentar a prole no ninho

Não deixeis que os pais desamparem
Auxilia-os no fardo da pesada cruz
Ensina-os o valor de amparar com abraço
Unge o caminho e acenda a tua luz

Revisa as páginas de tudo que ensinaste
Para que nenhum filho grite em desespero:
Pai, por que me abandonaste?

Pai Querido...
Sandra Galante
Piracicaba - SP
Pai querido, quantas sementes você plantou
Em sua estada na terra você foi uma poesia de amor.
Eu sempre disse que fiz contigo a melhor faculdade
Você foi a pessoa mais inteligente que conheci
Como jornalista, professor, tradutor e escritor
Ensinava-me contando histórias, brincando de rimas
Declamando Lusíadas, sentados embaixo das árvores
Quantas lições aprendi assim contigo...
Seu ar austero, próprio de todo pai
Impunha obediência com um único olhar
Ficava claro que você não queria que erássemos
Que fossemos íntegros conforme o seu ilibado caráter
A sua sensibilidade foi algo que me marcou muito
Ah! Seu violão tocando para eu dormir, como era bom!
Fui sua filha e com muita honra a sua fã
A caridade era para obrigatória para toda família...
O Evangelho era presente em seus atos...
Quantas vezes vi você ajudar sem poder os seus irmãos...
Como você foi forte perante a vida com sua Fé inabalável
Ensinando-nos que tudo podemos com o nosso pensamento positivo
Sinto muito a sua falta pai amado,
Da sua alegria contando piadas
Dos trocadilhos infames que dizia,
Das nossas conversas na hora da refeição,
Da sua perseverança em melhorar-se cada dia mais,
Como um bom espírita.
Torno a dizer, você foi um lindo poema de amor...
As lágrimas rolam neste momento em meu rosto,
Só posso lhe dizer:
Que saudades meu pai!
Até um dia meu pai, minha vida,
Que Deus te ampare.
Obrigada

Para Sempre...
[Homenagem ao meu querido pai Gabriel de Toledo e Silva]
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 02/agosto/2004
Meu querido pai...
Eu! Nunca mais vou lhe esquecer,
Passe o tempo que passar de nossas vidas,
Venham a ser os dias breves ou duradouros deste contato,
Estaremos cada qual unidos, somos sangue do mesmo sangue;


Passe neste tempo quanto à vida nos ofertar,
Venha a ser um relacionamento de pura amizade,
Venha a ser um relacionamento de puro desejo - amor, pai e filho,
Permanecerá em minha pele as lembranças desta união;


Passe a ser dor ou alegria os ensinamentos,
Venha com isto vez ou outra trazer amargas recordações,
Venha com isto vez ou outra trazer felicidade e paz,
Permanecerá em mim os aprendizados da convivência;


Passe todo o meu tempo nesta Terra,
Ainda sim saberei que no final...
Laureado pelos fios prateados da velhice,
Absorvi a oportunidade deste dom viver;


Saberei com certeza,
Que quando minha hora for derradeira, lembrarei:
Meu querido pai...
Eu! Nunca mais vou lhe esquecer,
Irás comigo para a eternidade.

Pai te Amo
Guilherme Araujo
Praia Grande - SP
[Homenagem feita por um garoto de 15 anos]

Maravilhoso
Engraçado
Legal

Humilde
Organizado
Respeitado

Preferido
Amigável
Inteligente

Divertido
Ótimo
Único

Notável
Decidido
Otimista.


Pai
Sonia Nogueira
Fortaleza - CE
É saudade que nunca acaba
Sorriso nunca esquecido
Passado que o tempo guarda
Pai, meu escudo, meu abrigo
Bondade ali fez moradia
Na família o amor maior
Preservado dia a dia

Todo pai é como árvore
Tem raízes pelo chão
Ramifica em seus galhos
Vai nutrindo a plantação
São os filhos, sangue seu
Que no corpo faz morada
Arrancar? Tem jeito não

Leva a vida, leva herança
Nas veias correndo certo
Pai é dom que traz lembrança
Mesmo no caminho incerto
É pedaço ali plantado
Na presença ou na distancia
A lembrança está por perto.

Postagens populares