"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 20 de agosto de 2011

[Boletim 37] - Vida... Faltam-me as palavras... Conspirar... Covarde... Deslize...


Vida...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 25/novembro/2000
Poesia atualizada em: 31/agosto/2009

Vida...
Começo,
Meio,
Fim,
Crescer,
Aprender,
Vencer,
Criança,
Pai,
Mãe,
Avós
Avôs,
Tios;


Vida,
Adolescência,
Rebeldia,
Insegurança,
Ingenuidade,
Malícia,
Descobrir,
Prazer,
Sexo,
Experiências,
Dedicação,
Estudos,
Progresso;

Vida,
Realização,
Continuidade,
Amor,
Ida,
Vinda,
Chegada,
Vida – vem,
Vivência,
Velhice,
Vida – vai,
Paz,
Eternidade,
Deus...


Faltam-me as palavras...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 17/outubro/2001
Faltam-me as palavras...
Sinto-as perderem-se no vazio,
Fugirem de meus lábios,
Tenho-as na mente,
Porém...
Não consigo expô-las no papel,
Recusam-se a serem escritas,
Vistas e lidas por outros olhos,
Rebelaram-se;

Faltam-me as palavras...
A expressão,
Os sentimentos,
Os desejos,
Muitas vezes descritos em dor,
Muitas vezes descritos em alegria,
Tudo me parece finito,
Não consigo falar das verdades,
Não consigo falar das fantasias,
Encontro tudo...
 Menos as palavras,
Tão pouco benditas,
Tão pouco perversas,
Apenas um vazio;

Faltam-me as palavras...
Falo por lábios selados,
Expresso-me pelo brilho de meus olhos,
Gesticulo para ser entendido,
Aos poucos encontro compreensão,
Divido o entendimento;
Aguardo um pronunciamento,
Uma manifestação,
Um esclarecimento,
A permissão,
Um sinal em meu corpo,
O porque desta perda momentânea,
Deste bloqueio,
Silêncio;

Faltam-me as palavras...
Creio serem temporárias,
Não me abandonarão...
Fazem parte de mim,
Completam meu corpo,
Compartilham de tudo,
Alegria,
Dor,
Felicidade,
Desamparo,
Consenso,
Respeito,
Quem falhou não importa,
Importa sim a causa;

Faltam-me as palavras...
A solução acontecerá,
Não tardará,
E assim como se foram voltarão,
Permitindo expressar-me,
Falar...
Encantar,
Emocionar,
Agitar,
Enfeitiçar,
Traduzir com maior fervor a vida...


Conspirar...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 19/dezembro/2002
Eu já não consigo permanecer sem a tua presença,
Clamo tanto que retorne e faça parte da minha vida,
Ao deitar-me, ao levantar-me, desejo que esteja ao meu lado,
Tua imagem... Acredite, me acompanha;

Eu já não consigo permanecer sem a tua presença,
Quando fecho os meus olhos vejo apenas o teu rosto,
Fico recordando teu sorrir, desejo e medo,
É como se pudesse tocar-lhe, sentir tua pele;

A fantasia faz a sua mágica e me afasta da realidade,
Faz-me crer que a vida é uma mescla de emoções,
Que hoje faço parte desta aventura chamada prazer,
Que mesmo que sonhe por você, sei que já foste real em meus braços;

A fantasia faz a sua mágica e me afasta da realidade,
Agora me entrego aos elfos e ao cosmo,
Deixarei o destino cumprir seu papel,
Acredite... Não deveria, mas conspiro para que nos amemos...



Covarde...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 06/março/2003
Pois é, foste um covarde...
Não tiveste a coragem de vir até mim,
Preferiste ficar na insegurança do desejo,
Permitiste vencer-se pelo medo do amar;

Pois é, foste um covarde...
Mesmo assim ainda conseguiste ser forte,
Admitiste a covardia do sentimento,
Creio que falaste abertamente da dor;

Não haverá censura da minha parte,
Nem ofertarei resposta a tua fala,
Nunca saberemos o final da história,
Não permitiste um começo;

Não haverá censura da minha parte,
Foste livre para fazer a escolha,
Cabe-me respeitar a tua decisão,
Cada qual arcará com as tuas perdas.


Deslize...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - CeGaToSi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 09/maio/2004
Quando lhe vi pela primeira vez…
Meus olhos se enfeitiçaram por este teu rosto malandro,
Não tive coragem de lhe dizer nada,
Apenas olhei para você o quanto pude,
Confesso que perdi as palavras em meus lábios;

Ficou em mim um sentimento de reencontro,
Por um aguardar que novamente acontecesse...
Poder ver teu rosto e desta vez não apenas olhar,
Dizer do querer, em poder sentir o calor do teu corpo,
O toque da tua pele na minha pele, teu sorriso;

Sendo assim, o destino brincou comigo, pregou-me uma peça,
Colocou-me na tua frente e novamente fiz tudo errado,
Faltou-me a coragem tal qual a primeira vez,
Apenas olhei para você o quanto pude,
Havia em mim ainda dúvidas, mas um desejo maior;

Os sentimentos por vezes nos enganam...
Ofertam um gostar que nem sabemos se o outro isto deseja,
Inibe-nos, amedronta, retira as frases ensaiadas,
Faz com que até nos arrependamos depois,
Permite que das palavras não ditas pessoalmente criar-se uma poesia.

Postagens populares