"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Espaço Poesia 9 - [Nelly Rocha Galassi... Maria Iraci Leal... Silvia Mota... Adivair Augusto Francisco... Sandra Galante... Mardilê Friedrich Fabre... Nagiba Maria Risek Malufe... ]


Espaço Poesia


[ ... Aqui os[as] amigos[as] tem o seu espaço... ]


. . . . . . . . . . . . . . . . . .


Resumo
Nelly Rocha Galassi - Americana-SP



Ontem foi riacho escorrendo
pela paisagem multicolorida.
Ontem foi campo de trigo
na tarde de fecundações.
Ontem foi noite esparramada
a luzir reflexos
por caminhos de estrelas.
Hoje, a vida fechando cortinas
e uma saudade concentrada
no trabalho artesanal
de gotas de lágrimas.


* * * * * * * * * * * * * * * * *

Despedida...
Maria Iraci Leal - Poá-Rio Grande do Sul


Frente ao mar me despeço
Deixo nas areias meus versos
Com carinho uma rosa
Seja eu lembrada
Felicidade foi estar aqui
Não sei se a missão cumpri
Muito errei, também muito amei
Talvez nunca seja entendida
Resta-me a certeza
de que não me perdi
Nem do amor e da beleza
Da clareza do objetivo
Agradeço tudo que vivi,
a todos que convivi
Igualmente
aos que não me amaram
Mesmo assim
em mim existiram
Levo todas as lembranças
A alma cheia de esperança
Quem sabe???
Um dia nos encontramos
num outro tempo,
num outro lugar
Recomeçar,
somente acertar
Somente amar!

* * * * * * * * * * * * * * * *


Saudade Anônima
Silvia Mota - Rio de Janeiro-RJ


Persiste no meu peito em flor saudade,
o ardor de um amargor... ah! dor intensa!
Se um dia ao teu olhar fui só deidade,
saudade és em mim, por recompensa!

Transmuta em mente eunuca, que nem pensa,
esta aflição fervor, ansiedade!
Persiste no meu peito em flor saudade,
o ardor de um amargor... ah! dor intensa!

E vão-se estrelas, luas - crueldade,
ausência que distende em luto e ofensa,
um nome que não sei - [hilaridade]
O anônimo que choro em dor incensa,
persiste no meu peito em flor saudade...


* * * * * * * * * * * * * * * *

Filhas de Agosto
[a Monique e Michelle]
Adivair Augusto Francisco - Limeira-SP


Doce perfume francês
na graça
surgistes da ternura
e do desejo
que uniram
a lua
ao sol
nos eflúvios do amor
que se extasiou em flor.

Brotastes na luz de espíritos
que nos espaço em criação
fizeram-se inquietos no conjugar do verbo
pelo verso em oração.

Canto aos ventos,
estes versos atrasados,
dos movimentos
que apetecem-me a vida
nas dezenas de agosto
dispostas em poesia.


* * * * * * * * * * * * * * * * *

Saudade
Sandra Galante - Piracicaba-SP


Hoje deito em minha saudade
O pranto a minha voz silencia
Esta dor tem tanta intensidade
Deixa-me em total estado de apatia...

Quisera eu nesta noite de luar
Estar em teus braços e te amar
Mas meus sonhos estão tão distantes
Que só me resta sentir saudades!


* * * * * * * * * * * * * * * *

Voltei a me amar
Mardilê Friedrich Fabre - São Leopoldo - Rio Grande do Sul


Um turbilhão de pensamentos...
no meu imo mil sentimentos...
Já me falta fibra pr'a agir
Quero lutar e reagir...

Súbito, uma calma imensa
Tomou conta do meu ser
Na mente, apenas a crença,
Não a angústia de esmaecer...

Uma sensação de paz
Felicidade me traz.
Vontade de me cuidar...
Recomeçar a me amar.


* * * * * * * * * * * * * * * *

Poetas... poesia
Nagiba Maria Risek Malufe - Americana-SP


Poetas Semeadores de Sonhos já se disse
Sonhar, da matéria abstrair-se
E do que é terreno.
Alçar a píncaros, regiões onde desfilam
Alvissareiros
Os devaneios sublimes do espírito.
Ser poeta... Ter um ideal criador
Para encontrar e traduzir
De dentro de si mesmo
Uma concepção harmoniosa do universo.
A possibilidade de um mundo melhor
É possível antever, sendo nisto que consiste
A missão superior da poesia.
Todo poeta é um idealista
Concentra as forças vivas do homem
Como energia criadora do ideal
De um mundo novo
Estruturado sobre as bases do amor,
Da bondade, da fraternidade.
Pela concepção, contemplação e exaltação
De tudo que a Natureza apresenta
De belo e de divino.
E um livro de poesias é uma peça colocada
Na teia emaranhada
De infinitos sonhos altruístas,
De meses e de flores para alcançar o Absoluto
O Eterno que não passa.


* * * * * * * * * * * * * * *

Postagens populares