"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

sábado, 2 de outubro de 2010

Espaço Poesia 4 - [Nelly Rocha Galassi... Jota de Oliveira... Devanir Ortunes... Celso Simone... JD Zanco...]

Espaço Poesia


[ ... Aqui os[as] amigos[as] tem o seu espaço... ]

. . . . . . . . . . . . . . . . . .


Queria
Nelly Rocha Galassi


Queria uma poesia ensolarada
com sinos e repiques de alegria.
Uma poesia que tivesse risos
e perfumes de paisagem matizada.
Queria uma poesia em devaneio,
com notas musicais bem compassadas,
qual valsa no salão em mil volteios
dançada por casais enamorados.
Uma poesia enternecida e bela
em luzes pelas rimas emergidas.
Um pincel de pintor em cada verso,
em cada estrofe um canto doce e belo.
Se a inspiração me desse tal momento
eu o faria imenso e deslumbrado,
para entregá-lo à alma do homem triste
e num instante vê-la iluminada,
imersa em minha poesia ensolarada.





Boêmio Vagabundo
Jota de Oliveira


Sou um triste andarilho / seguindo sempre, eu trilho
Por essa vida sem brilho / vagabundo no meu Brasil.
Eu comecei em setenta / passei os anos oitenta
Atravessei os noventa / e já cheguei no dois mil.

Lembro e guardo bem o dia / ao deixar, por covardia,
Tudo aquilo que queria / na minha velha morada.
Saí pelo mundo a fora / com a dor que me devora
E assim vivo até agora / por causa da namorada.

Eu era um jovem bonito / não me acanho e aqui cito
Na escrita era um perito / e na escola um professor.
Porém tudo se acabou / por alguém que não me amou
Só a tristeza restou / por causa de um grande amor.

Luiza, menina tão bela / eu amava essa donzela
A mais linda cinderela / de minha grande paixão.
Porém ela, descontente / teve outro pretendente
E assim deixou a gente / na mais triste solidão.

Em uma tarde serena / a minha bela pequena
Aquela linda morena / de branco, entrou na capela.
E a partir daquele dia / perdi a minha harmonia
Nunca mais tive alegria / por ter ficado sem ela.

Esse amor foi um martírio / que me levou ao delírio
Por isso, hoje eu prefiro / viver vagando no mundo.
E hoje sem compromisso / a ninguém sou submisso
Não sou nada, apenas isso / um boêmio vagabundo.






A Caminhada
Devanir Ortunes


Meu pensamento viaja pelo mundo
respiro fundo e procuro alguém
percorrendo vales, montanhas e florestas,
mas na procura não encontro ninguém.

Nos desertos quentes ou gelados
com o cansaço tomando conta de mim
avanço sempre, com fé e coragem
nada me assusta, nessa estrada sem fim.

E nas paradas onde faço meu descanso
é solidão, sem ninguém para me ajudar
mas, se tivesse, eu poderia aprender algo
ou, o pouco que sei, poderia lhe ensinar.






Chuva de Paz
Celso Simone


Que caia torrencialmente
Uma chuva de paz.
Que molhe de forma febril.
Todos os cantos sem mais,

Sabe...
Reatores nucleares explodem
Morrem pessoas.
Outras tornam-se inférteis,
A radioatividade se espalha
E outros futuros aleijados virão.
É hora de acabar.
E guerra terminar.
Fusível não mais soar.
Canhões parar...
Sabotagem química terminar.
Terroristas findar.
É hora de acabar.
E no mundo reinar a paz.
Eu preciso dessa chuva.
Que ela varra o mundo.
Que seja uma fonte nova.
Que cause enchente de amor.
Abra o caminho nas casas.
Que afogue as pessoas na paz.




A outra janela
JD Zanco


   A menina debruçada na janela trazia nos olhos grossas lágrimas e o peito oprimido pelo sentimento de dor causado pela morte de seu cão de estimação. Com pesar, observava atenta o jardineiro a enterrar o corpo do amigo de tantas brincadeiras.
   O avô, que observava a neta, aproximou-se e a envolveu em um abraço, tomou-a pela mão e conduziu-a para uma janela localizada no outro lado da ampla sala, para que visse o jardim florido e perguntou-lhe, carinhosamente:

  - Está vendo aquele pé de rosas amarelas bem ali à frente? Lembra que você me ajudou a plantá-lo? Foi em um dia de sol como hoje que nós dois o plantamos. Era apenas um pequeno galho cheio de espinhos e hoje, veja como está lindo, carregado de flores perfumadas e botões - promessas de novas rosas.

    A menina enxugou as lágrimas que ainda teimavam em permanecer em sua face e abriu um lago sorriso mostrando as abelhas que pousavam sobre as flores e as borboletas que faziam festa entre umas e outras das tantas rosas de variados matizes que enfeitavam o jardim.
     O avô, satisfeito por tê-la ajudado a superar o momento de dor, falou-lhe com afeto:

  - A vida nos oferece várias janelas. Quando a paisagem de uma delas nos causar tristeza é só buscarmos outra e, certamente nos depararemos com uma paisagem diferente, capaz de nos dar conforto. Tantos são os momentos de nossa existência, tantas as oportunidades de aprendizado, que nos visitam no dia-a-dia, que não vale a pena sofrer diante de quadros que não podemos alterar.
    Todos os momentos de nossas vidas são experiências valiosas, das quais devemos tirar lições oportunas sem nos deixar tragar pelo desespero ou revolta.
     Se hoje, de uma de suas janelas, você observa um quadro desolador, lembre-se de que existem tantas outras janelas, com paisagens repletas de promessas de melhores dias.
     Não se permita simplesmente contemplar a janela da dor. Aproveite a lição e abra novas janelas, seguindo em frente animado e disposto.






terça-feira, 28 de setembro de 2010

[Boletim 13] - Além d'Alma... Antes, durante e depois... Nem o Tempo Vence... Sem Você... Escolher...


Além d'Alma...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 12/março/2010


Minha vida se resume num constante vazio emocional,
Quatro paredes que me acolhem para o descanso,
Libertam as lembranças que 'nelas' permanecem escondidas,
Penso que por misericórdia, quando me entrego ao sono:

Sensações que foram compartilhadas em especial contigo,
Prazeres descobertos, emoções novas, muito ainda a conhecer,
Desejos comuns, fantasias ofertadas, sentimentos mútuos,
Hoje, tudo perdido no tempo que a mim me consome;

Definha-me a saudade lentamente como companheira,
Faz-me ver a volta que nada tenho de palpável,
Faço por sobreviver das imaginações que crio de ti,
Não sei mais discernir o que é real de ilusório;

Teu corpo, que tanto tive nas mãos, é como areia de deserto,
Carregadas ao vento enganam pela miragem que produz,
Causando dores no corpo físico e cicatrizes n'alma,
Lágrimas que abandonam meus olhos em vão;

Dissestes-me uma vez que nosso amor transcende a vida,
Clamo até por piedade que esta paixão continue a ser vivida em terra,
Há a espera inútil, contudo não morre em mim a esperança,
Pois do que adiantaria partir sem ter provado do teu amor.

. . . . . . . .



Antes, durante e depois...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 12/fevereiro/2010




Antes de lhe conhecer,
Vivia em plena solidão,
Caminhava sem rumo...
Não era capaz dos meus próprios passos,
Pouco sorria,
Era luz sem brilho,
Era apenas mais um ser no meio da multidão,
Sabia que era um ser dividido,
Rara era a alegria em minh'alma;

Quando você surgiu...
Minha vida encontrou seu sentido,
Contigo aprendi como viver todas as sensações,
Durante o nosso relacionar,
Éramos...
Essência,
Harmonia,
Cumplicidade,
Constante sintonia;

Hoje...
Minha vida,
Praticamente não representa mais nada,
Não lhe tenho mais no meu caminhar,
Nosso tempo foi interrompido,
O destino nos separou usando de teus lábios,
Em respeito à tua escolha, deixamos de ser felizes,
Hoje, depois de tudo que virou nada, morro lentamente,
Acompanha-me o vazo entre lágrimas e agonia.

. . . . . . . .




Nem o Tempo Vence...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 29/dezembro/2009


Fiz por esquecer tudo o que havíamos vivido,
Acreditando que assim seria fácil e estaria livre da dor,
Ledo engano deste parte, a metade que aqui ficou,
Pois quanto mais busquei pelo libertar, mais sofro;

És erva daninha que se arranca mas não morre,
Renasce em outro canto com mais força, mais vigor,
Faz questão de se anunciar viçosa e persistente,
Muito semelhante ao sentimento gostar, nunca cicatriza;

Pode passar muito tempo, mas o destino insiste e vence,
Encontrará seu momento certo e trará a saudade a tona,
Produzirá lembranças várias que trazem alegria ou tristeza,
Tal como a areia da praia que a água revolve, leva e retorna;

Assim deixaste meu coração, inquieto e em constante isolamento,
Bate em meu peito descompassado, quando não em egonia,
Escravo das noites solitárias as quais não encontro conforto,
Prisioneiro do teu amor temporário que jurava ser para a vida toda.

. . . . . . .



Sem Você...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 09/janeiro/2010


Confesso, tão difícil está sendo sem você,
Com você imaginava um amor constante,
Acreditava cegamente que éramos completos,
Fosse quando da necessidade nos fazíamos amigos,
Fosse quando do amor nos permitíamos ao prazer;

Faço dia a dia por querer esquecer,
Eliminar um sentimento que está enraizado,
Ignorar a nua verdade, que cada um está só,
Suportar a solidão que só eu sei como me escraviza,
Tudo em vão, quanto mais eu insisto, mais sofro;

Há na retina dos meus olhos tua saudade,
Há sim muitas lágrimas que não sei evitar,
Há a espera dos teus carinhos em meu corpo,
Há a distancia que destruiu o que lutávamos,
Há muito evidente o teu adeus, tua desistência;

Minha visão hoje é vazia, perdida no horizonte,
Antes eu o tinha no meu caminhar, seguíamos unidos,
Hoje meu amor não tem mais ao que sentir,
Minha pele é apenas minha, não se arrepia mais contigo,
Sou a metade uma parte que ainda vive, outra já morta.

. . . . . . . .



Escolher...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 29/dezembro/2002


A vida nos faz dar tantas voltas,
E no final ainda nos mostra uma saída,
Por vezes usamos apenas a razão,
Esquecemos das emoções que nos rege;

A vida nos faz dar tantas voltas,
Esquecemos de ouvir o coração,
Criamos medos e inseguranças,
Disfarçamos vivem em felicidade;

Permanecemos na solidão e dizemos estar feliz,
Enganamo-nos duplamente,
Negando a oportunidade do gostar,
A presença de alguém compartilhando sentimentos;

Permanecemos na solidão e dizemos estar feliz,
O amor não escolhe nem hora, nem ocasião,
Insistimos em estabelecer horários,
As sensações não esperam, ofertam o prazer ou seguem em frente...

. . . . . . . .


Postagens populares