"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

[Boletim 7] - Racionalmente Louco... Sem Olhar a Quem... Oferta d'Alma...


Racionalmente Louco:
Vivo das Lembranças...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta deLuz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 10/abril/2010



Absorvo das noites que me trazem freqüentes lembranças,
Entre 'elas' a solidão insistente e sorrateira faz-se companheira,
Traz consigo um sentimento carrasco, fortuito e pegajoso,
Cruel e dilacerante, indiferente e hipócrita, tão mesquinho,
Leva-me e se alimenta do limite entre a dor e a insanidade;


Chego a crer que quando estou lúcido estou realmente louco,
Chego a crer que quando estou louco estou realmente lúcido,
Contrastes tão visíveis e ainda sim tão imperceptíveis a mim,
É muito mais que uma doença, é um câncer que se diz passado,
É o conflito entre memória passada e memória presente;


Não é ausência das emoções, tão pouco falta das sensações,
É com certeza a carga emocional de uma vida que ri e chora,
É com certeza a experiência pessoal de uma vida que perde e ganha,
Compartilha com os seus da felicidade, compadece quando há tristeza,
Sobretudo não se isola crendo ser uma ilha capaz e impávida;

Apesar de vez ou outra existir saudade, tristes lamúrios aos cantos,
Há sem dúvida muita vida, muito amor, muita sensibilidade,
Há sim um ser real, ciente dos pecados capitais e seus limites,
Que sabe aprender do amor ou da dor os prazeres ou pecados da carne,
Respeitar aos que buscam respeito, perdoar aos que não ofertam perdão;

Maior consolo é acreditar que não sou único, nem tão pouco irracional,
Sou mais um aprendiz, busco o crescimento, evoluir, muito mais n'alma,
Não há vergonha das lágrimas que liberto, das palavras sinceras,
Não pratico a falsidade que destrói, tão pouco a língua que envenena,
Amo na totalidade, natureza, pássaros, água, o planeta, ao Criador.
. . . . . . . .


Sem Olhar a Quem...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 12/maio/2009





Por vezes eu me questiono...
Espero não ser o único a carregar a dificuldade da resposta,
Quantas vezes será que eu falho?
Quantas vezes será que as pessoas falham?
Ajudar alguém estranho com dinheiro?
Não ajudar alguém estranho com dinheiro!


Devo dar a ajuda que se pede ao corpo físico através do alimento?
Dever-se-á quem quer que seja ajudar apenas com alimento?
Devo eu ajudar nutrindo ao corpo espiritual com palavras de conforto?
Dever-se-á quem quer que seja ajudar apenas com palavras simplesmente?
Há o conflito do que fazer, haverá os que nada fazem?

Ficam questionamentos, quantas indagações...
Será mesmo real a necessidade ou mais uma forma de logro?
Será Deus agindo para com isto me testar?
Será Deus que busca descobrir qual pessoa é um ser solidário?
Há tamanha insensibilidade que temos pavor do semelhante?

Ajudar sem olhar a quem, está é a frase, a atitude,
Confesso não ser fácil a sua compreensão, tão pouco a sua prática,
Um paradoxo num mundo essencialmente capitalista,
Consciência de cada parte ou descaso velado?
Solidariedade quase nula ou exploração alheia excessiva?

Só sei mesmo que, vez ou outra eu ajudo, quando vejo sinceridade,
Só sei mesmo que, outras até peço perdão se falho no meu gesto,
Por mais compreensivo que se possa ser, hoje a má fé cega aos olhos,
Comove o sorriso, emociona o choro, mentira se faz realidade e vice versa,
Lamentavelmente cega multidões que se fazem seres vazios até d'alma.
. . . . . . . .

Oferta d'Alma...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 09/fevereiro/2005




[... Esta poesia é uma homenagem ao
artista plástico: Guilherme Mantovani]

... "Antes de ver um lugar comum, viu a beleza..."

Recebi de ti a 'vida' através das cores em tuas telas,
Manifestadas a mim pelo encantamento dos meus olhos,
Permitindo vislumbrar em corpo e n'alma o teu dom,
Absorver entre tantos tons e sensações a mescla do viver;

A emoção manifestada e extravasada quando tristeza,
O sentimento captado e liberto na alegria presente,
Atitudes do coração e da razão que se perpetuam,
O intenso das cores fortes que aquecem...

O equilíbrio de tonalidades que refletem sol e água,
A oportunidade do sonhar com o próprio artista,
Compartilhar desejos, vitórias, porque não perdas, sobretudo paz,
Um tempo dentro do próprio tempo que trás harmonia;

Refletir, compreender que a vida é sempre um início,
Entre ganhos e perdas o vitorioso é cada individuo,
Ter como importante à chance do se permitir observar:
Antes de ver em qualquer pintura um lugar comum, ver a sua beleza e mensagem!


. . . . . . . .

Espaço Poesia - 2... [Magali Comelato - Maria Maluf - Maria Cecília dei Santi - Maria Mirian]

Espaço Poesia


[ ... Aqui os[as] amigos[as] tem o seu espaço... ]


. . . . . . . . . . . . . . . . .

Liberdade

Libertem-me amigas...
dessa dura e única tarefa
de ser apenas feliz
Não posso semear todas as flores ao vento
Quero também poder chorar
Não me deixem procurar sozinha
a raiz do meu ser
Sejam honestas...
Meus pés queimaram-se no caminho do sol
Dentro das faces
os olhos não alcançam a multidão
isoladas em todo o seu individualismo
Compreendam-me amigas...
Meu nome é mulher!



Amor Criança


As crianças enlaçam as mãos
Forma-se a roda
É a ciranda, Cirandinha...
- Mamãe! Meu gato subiu na árvore!
- Minha pipa se enroscou no fio
Lá em cima.

As crianças rodam a ciranda
Quanto terão que cirandar?

Elas correm, sorriem, gritam, se expandem
Fazem a alegria da vida!...

- Que algazarra é esta?
- São as crianças voltando da Escola
Carregadas de livros e de cadernos
As blusas amarradas na cintura...

Buscam saber
- Você tem que estudar
Para ser alguém na vida...

- Vou por aqui? Ou por ali?
Qual será o melhor caminho?

Ciranda, cirandinha
Vamos todos cirandar...

Meu gato procura um jeito
Pra descer da árvore...
- Por esta volta?
Não! Vamos dar a meia volta...
ou terei que dar volta e meia?

Dança criança!
É o teu dia!

Elas correm, sorriem, gritam, se expandem
Fazem a alegria da vida!



Só Versos Literários

Maria Cecília dei Santi

Só,
penso
mil sóis!
Faz-se
clara
luz
na
face
tua
que,
na
noite
nua,
beijo
e
nado
na
nuvem
morna
que
me
leva
de
volta
à
tua
porta
que
me
abres
com
riso
manso
e,
num
susto
louco,
meus
olhos
abro:
tudo
é
sonho
vão...




M ã o s

Maria Mirian

Mãos postas em oração
Sublimes a pedir e a agradecer...
Mãos que trabalham, limpam,
Devotas a cuidar...
Mãos que semeiam, plantam,
Preparam o amanhã...
Mãos que colhem, oferecem,

Pura benção...
Mãos que curam, tocam,
Pura doação...
Mãos que salvam, operam,
Milagres do Senhor...
Mãos que socorrem, trazem vidas,
Colaboram com a criação...

Mãos que afagam, acariciam,
Doando esperanças...
Mãos que saúdam, bendizem,
Mostrando Deus no gesto...
Mãos que levantam aos caídos,
Cumprem os ensinamentos...
Mãos de perdão, de amor,
Do Cristo o Salvador...
Mãos... Benditas... Mãos...






terça-feira, 24 de agosto de 2010

Espaço Poesia... [Wilma Lúcia da Silva Moraes - Roberta Suzigan - Geraldo Trombin]



 [ ... Aqui os[as] amigos[as] tem o seu espaço... ]

. . . . . . . . . . . . . . . . .

Bate Coração
Wilma Lúcia da Silva Moraes


Bate, coração, ainda bate,
deixa esta vida tão linda,
passar por mim e ficar...
Deixa estar que eu luto sempre,
Não visto o luto da gente que esqueceu de lutar.

Bate, coração, bate forte,
olha pro rumo do norte,
que a sorte vem te encontrar,
se quiser brincar com a morte,
foge antes de ela chegar.

Bate forte, coração, bate ainda,
esquece a dor na berlinda
e navega pelo mar.
A estrada se abre à frente
pelos pés a caminhar.

Bate fundo, coração, bate bem alto,
corre o mundo pelo asfalto,
canta afinado em contralto,
samba no pé pra esquentar, e a mágoa
abraça a alegria, seja de noite ou de dia.

Bate sempre coração, não esmoreça,
nem esqueça deste peito
que teima em de dar abrigo.
Dá-lhe calor, muito amor, e não esqueça
que esse peito, coração, é teu amigo!






Teu olhar


Roberta Suzigan


Ao vaguear,
meus olhos conheceram um novo brilho,
o teu olhar.
Lindo, mágico, profundo,
e nesse primeiro segundo,
arderam-me os lábios,
ávidos por oscularem os teus.
Sorri, voei distante, te desejei!
Sonhei-te em mim...
E ao teu sim me entreguei.
Ah!... aquele brilho
penetrando-me a retina,
novamente fui menina,
Deixando-me seduzir.
E roçando-me na tez desse teu todo
amei-te mais, num amor louco,
voraz de teu maior desejo,
Beijos, bocas, sexos, seios,
sumo de ti em mim,
Vivi!





Um pelo outro, deixa-se levar,


Vento, asas da imaginação,


Borboleta e ar.

Borboletear


Como lançadeira de tear,


Indo e vindo na fiação,


Tecendo em vôos lúdicos, únicos


A arte de voar.


Borboleta & Ar
Geraldo Trombin



segunda-feira, 23 de agosto de 2010

[Boletim 6] - Amor e Amizade... Para Viver... O que me restou... Entre dois Amores...



Amor e Amizade...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 24/julho/2002



Se as minhas palavras lhe fazem bem, aceite-as...
Se as minhas palavras lhe fazem mal, perdoa-me...
Confesso não saber mais como agir!
Tenho medo e insegurança com você;

Um desejo que me impulsiona a ir em frente,
Sei que não terei nenhuma oportunidade,
Já ouvi isto inúmeras vezes de teus lábios,
Suas palavras atravessam os meus ouvidos;

Retenho o som da tua voz só quando me sorri,
Quando vejo o brilho dos teus olhos refletirem nos meus,
O desejo pelo prazer do toque dos teus lábios,
A felicidade da tua presença ao meu lado;

Por vezes lutamos por quem não nos quer,
Insistimos até a ferida sangrar,
Exaurimo-nos pelo não compreender,
O destino nos manipula tal qual num jogo de dados;

Prometo não chorar pela tua decisão,
Ficarei sim, triste alguns dias,
Mas a compreensão haverá pela atitude,
Se não lhe posso conquistar pelo amor, entenderei;

Prefiro por qualquer outro sentimento estar presente,
Poder assim ofertar o prazer d'uma conversa,
O tempo do falar franco e sincero,
Saber que a vida nos presenteou com a amizade...


. . . . . . . .




Entre ser menino e ser homem...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 30/julho/2001



Todo menino será homem...
É a lei imutável da vida,
Todo homem precisa preservar o menino,
A infância não se pode perder;

Todo menino será homem...
É a transformação do corpo,
São os sinais das mudanças físicas,
É preciso guardar na memória este tempo único;

Todo menino será homem...
É a mudança visível acontecendo,
A sensação palpável e inevitável,
Crescer faz parte do jogo;

Todo menino será homem...
Reações internas e externas,
Novos prazeres, desejos...
A vida abrindo caminho;

Todo menino será homem...
As brincadeiras darão lugar às responsabilidades,
A dúvida do deixar de ser para ser outro,
A perda da ingenuidade;

Todo menino será homem...
Aprenderá a conhecer a si melhor,
 Lidar com as novas sensações,
Conhecer os sentimentos e seus efeitos;

Todo menino será homem...
Não apenas no engrossar da voz,
Não apenas na feição e no corpo,
Não apenas nos primeiros pêlos pubianos;

Todo menino será homem...
Não apenas no prazer que encontrará em si,
Não apenas no prazer que terá para oferecer,
Mas, sobretudo na firmeza de caráter;

Todo menino será homem...
Na nobreza dos gestos,
Na clareza das atitudes,
No respeito à vida e a todos os seres;

Todo menino será homem...
Parte ativa da vida que não pára,
Será com o tempo senhor de si,
Será capaz de compreender o jogo;

Todo menino será homem...
Individualmente pelo prazer,
Completo pelo prazer a dois,
Muitos serão perpetuadores da nova vida;

Todo menino será homem...
Será o pai que amanhã repetirá a história,
Passar os ensinamentos da vida,
Das transformações que assusta e excita;

Todo menino será homem...
Todo homem deverá sempre lembrar,
Isto é primordial para viver,
Que o menino interior não deve deixar de existir;

Todo menino será homem...
Este é o presente,
Crescer e saber que o menino sempre existirá,
Ele é o sentido maior;

Todo menino será homem...
Ele será ele mesmo amanhã,
No filho que gerará,
Nas crianças que encontrará na sua jornada;

Todo menino será homem...
Será menino...
Todo homem,
Que mantiver a criança viva em si.

. . . . . . . .





Para Viver...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 18/abril/2002



Necessitamos tão pouco nesta vida para viver,
Buscamos encontrar um sorriso meigo e sincero,
Buscamos receber com respeito um aperto de mão,
Buscamos ser acolhidos pelo abraço de boa vinda;

O tempo que aqui presenciamos é tão ínfimo,
Por vezes não aproveitamos nada que é ofertado,
Brigamos e nos acusamos por bobagens,
Deixamos de ser o que deveríamos ser;

É nos ensinado a detestar,
Observar e invejar o próximo,
Desejar ao outro tudo que possa ser negativo,
Carregar mágoas, remorsos e raivas;

Será tão difícil ensinarmos aos outros o bem,
Será que não somos capazes de agir assim em nós,
Que lições e aprendizados teremos a ofertar?
Somos todos responsáveis por nossas atitudes;

Fazemo-nos de estranho diante dos problemas,
Fechar os olhos para a criança que chora,
É nos colocarmos em seu lugar e ainda ignorar,
É estar cego com toda a visão recebida pelo viver;

Temos que tomar as decisões corretas,
Sermos o espelho para nossos semelhantes,
O exemplo para a nova geração,
Carregar a coragem e perseverança;

Começar é mais fácil do que se imagina,
A atitude é simples e deve ser um hábito,
Agradecer a Deus a cada dia que se respira,
Sorrir ao próximo e desejar-lhe: Bom Dia...

. . . . . . . .





O que me restou...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 11/março/2007



Desarmei-me para a tua chegada...
Acreditei que o amor reinaria,
Fiz-me como a um livro aberto,
Transparente e sem segredos,
Folhas de sinceridade e verdade, nada mais;

Deixaste em mim a lembrança do teu perfume,
A suavidade da tua pele no calor dos meus braços,
O desejo quase incontrolável de teus beijos,
Realidade fantasia num mesmo ato, prazer,
Momentos únicos, fotografados pelas minhas retinas;

Permitimo-nos, entregamo-nos, sei que fomos conscientes,
Porém, hoje, no dia seguinte o que me restou foi à saudade,
Falhei comigo? Quem sabe falhamos conosco também!
Tudo voltou a ser como era...
Silêncio, solidão, a constante sensação de arrependimento;

Ficará em mim por dias apenas dúvidas,
Explicações de teus lábios eu nunca as ouvirei,
Prosseguir me caberá, cada dia é um novo caminhar,
Sobreviverei, sobretudo da esperança.

. . . . . . . .




Entre dois Amores...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 20/setembro/2009



Vivo atormentado...
Desfigurado por lembranças quebradas,
Sensações temporárias,
Desejos em segundo plano,
Saudades reveladas apenas da minha parte,
Sei que estou preso as amarguras da angustia,
Acuado por segredos incomuns,
Amargo pelo discernimento que não me cabe,
Querer tudo e saber ficar sem nada,
Busco ponderar pela solução,
Parte de mim deseja tua emoção,
Parte de mim deseja tua razão,
Expressas cada qual nas metades que amo,
A única harmonia que me consola,
É saber que somos todos pele da mesma pele,
Sei que uni-las é impossível,
Seria viver entre o céu e inferno,
Morrer enquanto vivo,
Clamo pela conciliação,
Viver, compartilhar, amar,
Ser feliz, nada mais...
Mesmo que para isto precise ocultar a verdade,
Morrer se preciso for pelo meu segredo,
Metade de mim precisa da tua parte física,
Metade de mim precisa da tua parte emocional,
Sei que não haverá compreensão,
Tão pouco perdão a me ofertar,
Se blasfemo viver entre dois amores.

. . . . . . . .




Postagens populares