"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

"Aqui se 'vive' e se 'respira' poesia... Faça parte deste espaço, siga-nos...

domingo, 5 de dezembro de 2010

[Boletim 19] - Culpa... Se me fosse permitido... Amor Falso, Amor Verdadeiro... Erva Daninha... Dá-me a tua mão!... Veredicto... Tempo perdão... Outro ser Outro... Dois Mundos... Vazio!...



Culpa...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 28/setembro/2002 


Eu devo ser mesmo um cafajeste!
Ouvi tudo o que me disse calado,
Engoli seco, nem sequer retruquei,
Aceitei tudo, fiz-me de culpado,
Quando a minha culpa nunca houve;

Eu devo ser mesmo um cafajeste!
Ofertei a você o melhor de mim,
Minha amizade sem cobrança,
Minha amizade sem hora e lugar,
Minha amizade, uma parte da minha vida;

E como paga recebi de teus lábios agressão,
Quis transferir para mim tua própria culpa,
Calou-me com injúrias e tolas mentiras,
Não foi culpa, foi medo de permitir teu amor,
Faltou coragem para enfrentar teus sentimentos;

E como paga recebi de teus lábios agressão,
Pensou que seria fácil dizer e tudo estaria resolvido,
Carregas o mesmo desejo no coração,
Nossa diferença é que você me ignorou fugindo,
Eu fiquei e enfrentei a perda, pois lhe desejei...





Se me fosse permitido...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 18/junho/2003


Se a você me fosse permitido contar alguns dos meus segredos...
Diria da tua felicidade que em mim se reflete quando estou ao teu lado,
Como o teu sorrir alimenta a minh'alma solitária,
Sou pura paixão pelo brilho dos teus olhos, enfeitiçam-me;

Se a você me fosse permitido contar alguns dos meus segredos...
Diria do desejo que tenho em poder tocar tua pele,
Sentir a maciez dos teus fios de cabelo, tocar nos teus lábios,
Saborear o calor deste teu corpo que me provoca a imaginação;

Se a você me fosse permitido contar alguns dos meus segredos...
Diria o quanto clamo poder lhe ofertar o meu carinho,
Dizer dos meus sentimentos que ora me traem, que ora me acobertam,
Porém a vida nunca me permitirá revelar, caberá a mim o silêncio;

E como sei que não há opção de escolha, bastará a mim resignação,
Sonhar quando as emoções comandarem a minha razão,
Acreditar que este será o único paliativo, amor-amizade,
Absorver o que o destino oferece, não o que a emoção deseja.





Amor Falso, Amor Verdadeiro...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 12/março/2004


Vivo em busca d'um amor...
Quando penso encontrar faz-se de falso,
Encanta-me com doces palavras,
Ilude-me n'alma com promessas;

Os dias prosseguem solitários,
Permanecem os sonhos feitos em ilusão,
As lágrimas d'uma saudade não correspondida,
O sentimento de perda que castiga;

Quando penso aprender vejo que novamente errei,
Meus desejos me traem furtando-me das sensações,
Consolo-me através da poesia que me liberta,
Não cura as feridas, mas estanca a dor;

Permitindo assim que eu suporte mais um dia,
Conviva com a noite mesmo sendo um martírio,
Acreditando que meu tempo do gostar chegará,
Hora qualquer encontrarei o amor verdadeiro.





Erva Daninha...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 18/janeiro/2005


O que faço para lhe esquecer, eu clamo por uma ajuda,
Tanto tempo já se passou...
Porém continua presente em meus pensamentos,
Somos hoje vidas desunidas, solitárias,
Mesmo assim continuas a impregnar à minha pele;

Será você uma praga que a mim foi ofertada!
Será você um engôdo constante nos meus olhos,
Consegue ainda hoje fazer da minha pessoa um ser que vive do passado,
Sobrevivente de saudades e sentimentos perdidos;

Não encontro a paz espiritual, minha liberdade,
Tenho medo do gostar novamente, impede-me...
Cega-me aos olhos quando o amor em mim se manifesta,
Deixaste-me dependente d'uma ilusão, tua lembrança;

Sei que aos teus pensamentos estou morto,
Foste mais feliz e forte, soube livrar-se de mim,
Acredito não ter representado nada para você,
Quanto a mim, ofertei parte da minha vida;

Fui alegria quando estavas alegre,
Fui tristeza quando estavas triste,
Fui sem que percebesse seu ombro amigo,
Restou-me a saudade, a perda,
Constantes lágrimas por alguém que nunca me amou.






Dá-me a tua mão!...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 26/maio/2005


Perco-me em pensar onde estarão as minhas palavras,
Em que tempo da minha vida me abandonaram,
Uma sensação que faz com que me sinta um ser vazio,
Perdido sem meus sentimentos não expressos;

Não sei o que é felicidade, nem como encontrá-la,
Vivo a percorrer ruas vazias, tal como eu, na solidão,
Não sou capaz de encontrar a metade que me queira,
Penso me encontrar, ledo engano, nem eu mesmo mais consigo;

Sou carne, sou osso, no entanto não passo de um ser sem emoção,
Respiro, sorrio, até choro, porém hoje vivo fugindo da razão,
Quem me dera sonhar, imagine, se nem aprendi a amar,
Minhas alegrias onde estarão? Nem eu não tenho mais a resposta,
Com o passar dos dias o que mais desaprendi foi desejar;

Quem me ajudará a recuperar estas sensações?
Serei eu mesmo! Caberá continuar aprendendo entre erros e acertos,
Haverá alguém com tamanho amor que me libertará?
Serei assim quem sabe completo física e emocionalmente,
Clamo nunca um ser fragmentado e sem vida, na ilusão.






Veredicto...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 05/outubro/2006


Minha arte... Escrever!

É lenta e silenciosa,

Um trabalho de colheita,

Grão por grão...

Exige muito tempo,

Paciência...

Cativar n'alma das pessoas.





Tempo perdão...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 10/novembro/2007


Haverá de tempos em tempos...
Situações que sempre nos confrontará,
Em qualquer idade e tempo como ser humano,
Como pessoa única, individual em análises, pró e contra,
Com certeza na maior freqüência coletivamente;

Seja este o sentimento que for,
Seja qual for à sensação que venha causar,
Indubitavelmente produzirá variação de efeitos,
Venha isto acompanhado de um ato que o torne benéfico,
Venha isto acompanhado de um ato que o torne maléfico;

Sem dúvida não se deve negligenciar os resultados quanto às reações...
Imprevistos que se apresentarão, por vezes como insolúveis,
Desventuras criadas pela falta de estrutura psíquica, também moral,
Fortes paixões concretas seguidas de plena realização,
Fortes paixões envoltas em ilusão acompanhadas de escândalos;

Existirá com certeza o confronto ora positivo, ora negativo das idéias,
A forma racional do entender,
Discutir e aceitar,
A forma ora irracional de discordar,
A não aceitação, insistir no nunca entender;

Haverá, isto ninguém pode negar, sempre o defensor do amor,
Resultado estabelecido pelo dogma da construção familiar,
A conhecida célula mater da sociedade, homem e mulher = filhos,
Haverá, isto ninguém pode negar, sempre o defensor do amor impróprio,
Resultado dos preconceitos e tabus, o receio da interpretação,
A incompreensão das escolhas, como se fosse melhor arder no inferno,
Sobretudo o desrespeito à pessoa, à opção de vida;

O desequilíbrio causado pelas palavras mal proferidas,
Interpretações que nem sempre geram o equilíbrio, mesmo que temporário,
Atitudes que ofertam um tempo para o caos,
Atitudes que ofertam um tempo para a paz que se deseja,
Escolhas que clamam o bom senso entre razão e emoção,
Escolhas onde os indivíduos vejam-se nas entrelinhas,
Sabedoria, ingenuidade, harmonia, possam resistir;

Que se esqueça da arrogância,
Despoje-se da luxuria que cega às intenções,
Desarme-se dos ódios e rancores,
Exclua-se a ganância e se aprenda a compartilhar,
Livre-se das mãos as pedras da onipotência,
Abominem-se excessos, ofensas, desumanidade,
Que as vozes não só de tempo em tempo tenham um só tom, perdão.






Outro ser Outro...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 25/maio/2008


Metade de mim hoje sobrevive sem face aparente,
Parte de mim luta para entender porque não pode ser pública,
Metade de mim não entende porque é mantida como ausente,
Parte de mim até entende que não se aceita como bíblica;

Constantes lapsos de memória num amor inconsistente,
Insiste trazer vez ou outra uma lembrança insuficiente,
O qual se faz muito mais evidente na sensação ausência,
Nem comprova, nem nega, talvez saudade que admite inexistência;

Já não convence com frases ditas de forma costumeira com a boca,
Revelações liberam desejos mascarados com atitude senão infantil, oca,
Cada vez mais difícil fica crer que sejam expressas com emoção,
Que resta é a produção de freqüentes dores que esvai a razão;

Sendo assim o que sobra é ser o personagem das sombras, da rua escura,
Àquele que nega para si que o prazer da vida é agora, faz figura,
Busca o amor próximo, porém distante, que disfarça com palavras eloqüentes,
Destruindo com certeza, sentimentos verdadeiros que fará ambos doentes.





Dois Mundos...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 29/agosto/2009


Vivo em dois mundos bem distintos,
Acredite, são bem reais, é só querer observar,
Um existe quando entro em minha casa,
Um existe quando estou fora, no viver;

O mundo diário, do trabalho, do estudo, de atividades tantas,
Este hoje é cheio de incertezas, muito mais de insegurança,
É preciso sair com a Fé inabalável, que se irá e se voltará seguro,
A sociedade que deveria proteger já nem sabe mais o seu papel;

Alguns anos atrás tudo se mostrava praticamente paz,
Não com isto negar que havia problemas ou dificuldades,
Contudo o bom senso se fazia presente e tudo se resolvia,
Hoje ser irracional parece ser o grau de elevação a se alcançar;

Sentimentos como rancor e ódio buscam subjugar o amor,
É mais fácil ignorar erros, atitudes, até atos de covardia,
Haverá se instalado o medo de ofertar a mão da solidariedade?
A essência humana está se esvaindo da pele e d'alma;

Abençoado meu segundo mundo real ofertado pela natureza,
Onde após atravessar a barreira dos conflitos diários e me encontrar,
Por segundos, por minutos, quando não horas de harmonia e contemplação,
Um simples espaço de verde, o som de pássaros, suas cores;

Despojo-me de riquezas materiais, de poderes temporários,
Livre das adversidades, me permito fazer parte do Universo a que pertenço,
Sei com certeza que sou eu mesmo, pés no chão, natureza e vida,
Emoção e razão, sensações que se equilibram num único poder Deus...





Vazio!...
Celso Gabriel de Toledo e Silva - Cegatosi®
Poeta de Luz® - Arquiteto de Almas®
Concebida em: 20/fevereiro/2010


Tudo me faz sentir tão só,

Olho ao redor, tudo me é vazio,

Busco no horizonte e nada vejo,

Meu corpo, minha vida...

Clama tua presença, não solidão.




Postagens populares